Mapa do Site

Abril | Programação da Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos

A Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos reabriu ao público no passado dia 15 de março e está a funcionar com algumas regras de utilização.
Abril | Programação da Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos
A Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos reabriu ao público no passado dia 15 de março e está a funcionar com algumas regras de utilização.
 
A programação do mês de abril é dedicada principalmente ao “25 de Abril”, com várias atividades dedicadas ao dia da Liberdade. Umas são em formato digital e outra, como o “Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor - “Contos ao Telefone”, apela à participação dos leitores com inscrição prévia.
 
 
2 abril
Dia Internacional do Livro Infantil
A biblioteca convida a assistir à “Hora do Conto” - “O Rouxinol”, de Hans Christian Andersen, Edinter, 1989, seguido do Atelier “Criar e Reciclar” – “Recortes de Andersen”.
 
A pensar na importância do feriado “25 de Abril” para as crianças, a biblioteca criou o Saco “Manualidades com Histórias” – “Cravo de Abril”.
O saco contém dois livros sobre o “25 de Abril”, um para adultos e outro para crianças. Tem uma novidade, o manual de instruções do “Cravo de Abril” e os principais materiais para realizar este atelier em família.
As reservas para levantamento do saco são feitas através dos contactos: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou pelo telefone, 21 436 9054.
O Saco “Manualidades com Histórias”, pode ser levantado entre 16 e 24 de abril, das 10h00 às 18h00 nos dias úteis e sábados, das 10h00 às 12h30 e das 13h30 às 18h00, na porta principal da biblioteca: Av. Conde Castro Guimarães, N.º 6, 2700-260 Amadora.
 
16 abril | 18h30 às 19h10
10.ª sessão e última sessão | Clube Juvenil de Poesia
Esta iniciativa dirige-se ao público juvenil entre os 13 e os 19 anos, realiza-se através da plataforma Microsoft Teams, é dinamizada por Margarida Batista e tem como objetivos desenvolver o interesse pela poesia, contribuir para a sua divulgação e incentivar a sua leitura e criação junto dos jovens.
O projeto teve início no passado dia 13 de novembro e chega agora ao fim.
Análise das obras dos poetas: “Omertá”, de Vasco Gato, editora Quasi, 2007, “Gaveta de papéis”, de José Luís Peixoto, editora Quetzal, 2011 e “Publicação da mortalidade”, de Valter Hugo Mãe, editora Assírio & Alvim, 2018.
Vasco Gato nasceu em Lisboa, em 1978, cidade onde vive e trabalha como tradutor. Publicou na viragem do século o seu primeiro livro de poesia, intitulado “Um Mover de Mão”. A esse volume inicial seguiram-se onze coletâneas em nome próprio e duas recolhas de poesia por si traduzida. “Daqui Ninguém Entra”, editora Companhia das Ilhas, 2016, é a sua primeira incursão na escrita dramática.
José Luís Peixoto nasceu na aldeia de Galveias, no Alto Alentejo, onde viveu até aos 18 anos. Após terminar a sua licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, na variante de estudos ingleses e alemães, foi professor em várias escolas portuguesas e na Cidade da Praia, em Cabo Verde. Em 2001, dedicou-se profissionalmente à escrita.
Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em variadíssimas línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia.
A sua poesia encontra-se reunida no volume, “Publicação da mortalidade”, editora Assírio & Alvim, 2018.
No decorrer desta sessão haverá:
Leitura de poemas destes livros e também de poemas destes autores recolhidos nas redes sociais, onde estão presentes, tais como o “Facebook” e o “Instagram”.
A importância das redes sociais na divulgação da poesia portuguesa na atualidade;
Resumo do trabalho efetuado na plataforma digital Teams e divulgação do prazo para a receção dos trabalhos em papel ou através de correio eletrónico para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. com vista à elaboração de um Fanzine de Poesia Juvenil da Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos.
Despedida.
Ficha de Inscrição
 
22 abril | 14h00 (estreia) *
“Momentos de Leitura para Seniores”
“Explicação do país de abril”, da obra “Praça da Canção”, de Manuel Alegre, Livros de Bolso Europa América, 1979.
O vídeo será publicado no canal de YouTube da CMA e na área “Destaques” - “Sénior” no catálogo da biblioteca, http://biblioteca.cm-amadora.pt
 
 
23 abril *
Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor
"Contos ao telefone"
O Dia de Liberdade e de Democracia não pode ser esquecido pelos portugueses. Por isso, a Biblioteca Municipal vai assinalar o “25 de Abril” com a atividade “Contos ao Telefone”, destinada a famílias com crianças. Será narrada a estória, “O Tesouro”, de Manuel António Pina”, 12.ª edição, Associação 25 de Abril, edição de Associação Política Regional de Intervenção Local.
Os horário(s) para ouvir “Contos ao Telefone” são das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h30, com intervalos de 30 minutos entre cada um.
As marcações podem ser feitas por email ou telefone, para: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou para o telefone, 21 436 9054.
 
24 abril | 10h00 (estreia) *
“Atelier Criar e Reciclar” - “Cravo de Abril”
O cravo vermelho é um dos principais símbolos do “25 de Abril”. Para que as crianças associem o cravo ao Feriado da “Liberdade”, a Biblioteca realizou o atelier “Cravo de Abril”, para que as famílias criem um cravo com materiais reciclados.
Assista ao vídeo e construa-o em família!
 
Se quer realizar este atelier e não tem os materiais, relembramos que pode contactar a biblioteca para ver se ainda está disponível o Saco “Manualidades com Histórias” – “Cravo de Abril”, pois contém as instruções e os materiais indispensáveis para a sua criação.
 
Já visitou a mostra pública “Pela Estrada da Porcalhota”?
Se ainda não conhece, vá até ao jardim da Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos.
“Até à construção do caminho de ferro, em 1887, a ligação entre Sintra e Lisboa fazia-se pela Estrada da Porcalhota, atual Elias Garcia, espaço revisitado por Eça de Queirós e embrionário para a Amadora de hoje”.
 
* Esta iniciativa integra o programa das comemorações do 47.º Aniversário do 25 de Abril, no Município da Amadora
 
Visite-nos e faça boas leituras!