Mapa do Site

Núcleo Museológico do Moinho do Penedo dá a conhecer a história dos moinhos de vento na Amadora

Núcleo Museológico do Moinho do Penedo dá a conhecer a história dos moinhos de vento na Amadora

O Núcleo Museológico do Moinho do Penedo é o mais recente núcleo do Museu Municipal de Arqueologia e pretende dar a conhecer a história dos moinhos de vento na cidade da Amadora.

Moinhos de vento na Amadora
Os moinhos de vento marcam até aos nossos dias a paisagem da cidade da Amadora, hoje, na grande maioria, ruínas, são a prova da existência de uma forte atividade moageira que marcou outrora a região: a chamada Cintura Moageira Pré-industrial de Lisboa.
Este complexo composto por mais de uma centena de Moinhos de Vento chegou a produzir 21.000 a 32.200 toneladas de farinha por ano, que se destinava sobretudo a suprir o grande défice de pão que existia na capital.
As estruturas de moagem construídas na Amadora remontam pelo menos ao século XVII. Consultando a cartografia e as fotografias aéreas existentes conseguimos contar nos 24 km2 que compõem o Concelho, 71 moinhos de vento, que funcionaram intensamente sobretudo na segunda metade do século XVIII. Consequentemente, esta atividade proporcionou o desenvolvimento dos trabalhos agrícolas, o cultivo de “terras de pão”, onde predominava sobretudo o trigo e o centeio, e a criação de variados postos de trabalho: trabalhadores agrícolas, moleiros, carreteiros, bandejas, comerciantes…
A chegada da energia a vapor e das fábricas levou a que estes fossem desativados e aos poucos desmantelados até ao início do século XX. Atualmente existem 41 moinhos de vento, alguns foram recuperados, como é o caso dos Moinhos do Penedo, do Casal do Garoto (da Siemens), de Alfragide e da Falagueira.
O Moinho de vento do Penedo foi recuperado em 1998, é uma estrutura de torre fixa circular construída com a pedra basáltica da região, com dois pisos, o térreo e o de moagem, ligados por uma escada. A entrada e as janelas são constituídas por pedra calcária e no seu interior podemos observar os arganéis que serviam para fixar o capelo.