Mapa do Site

Plano de intervenções na Falagueira - Venda Nova

Plano de intervenções na Falagueira - Venda Nova

O ano de 2019 vai ser muito importante para a implementação do Plano Estratégico da Falagueira – Venda Nova, com o início de uma série de obras públicas relativas à reabilitação e regeneração da zona que é, por excelência, a zona da cidade, através da qual a Amadora se pode afirmar no contexto metropolitano, porque é, depois de Lisboa, o concelho com as melhores acessibilidades.
“A Amadora é abraçada por todas as grandes vias da área metropolitana Norte, tem a particularidade de ter três estações de metro (linha azul), é atravessada pela Linha de Sintra e, por isso, naturalmente, é importante não só a reconversão de toda a antiga zona industrial da Venda Nova, mas, também, termos um plano delineado de intervenção estratégica, no qual estamos a trabalhar”, refere Carla Tavares, Presidente da Câmara Municipal.
A Autarquia optou, sob o ponto de vista do atual quadro comunitário 20/20, candidatar toda esta zona para requalificação, não só centrando as energias no alojamento das famílias que viviam no Bairro 6 de Maio e no Estrela de África, mas, também, nas obras que vão melhorar a mobilidade, a acessibilidade, a ligação aos transportes públicos, o acesso pedonal aos mesmos e incentivando, por essa via, a sua utilização, de forma a qualificar esta área.
Todas essas obras estão, agora, em fase inicial, intervenções que, “do nosso ponto de vista são o pontapé de saída daquilo que depende do Município para lançarmos no mapa metropolitano e no mapa nacional toda esta zona e a da Falagueira, em particular, como uma janela de oportunidades para captação de investimento”, acrescenta a autarca.

Fique a conhecer as intervenções que estão a decorrer e/ou que vão iniciar-se ainda este ano.


Construção da Via Distribuidora Estruturante - L5
Esta via, conhecida como Eixo Estruturante da Falagueira -Venda Nova, é uma intervenção vital para o processo de revalorização e desenvolvimento da zona. O eixo já em construção irá ligar a rotunda da Estação do Metropolitano Amadora Este ao nó da CRIL na Damaia e, através da Estrada dos Salgados, aceder, também, ao nó da CRIL e ao IC16, em Alfornelos.

Deste modo a L5 com a atual Estrada dos Salgados vai criar uma nova via distribuidora, que servirá, a partir dos nós da CRIL, todo o setor nascente da Amadora, permitindo uma melhor distribuição do tráfego no acesso às áreas da Damaia de Baixo, da Falagueira e da Brandoa, à Zona Industrial da Venda Nova e ao eixo da Rua Elias Garcia.
Com a construção da via distribuidora estruturante de ligação da Falagueira ao Casal de São Brás - L4 serão, também, melhoradas as condições de acesso à zona norte do concelho (São Brás, Brandoa, Vila Chã e Moinhos da Funcheira).

Com uma extensão final de 1.100 metros, uma largura de 40 metros e constituída por duas vias em cada sentido, com separador central e duas vias laterais de serviço aos edifícios, esta nova avenida será executada em 3 fases:
- 1.ª Fase: Rua Paiva Couceiro até ao troço já existente a sul, entre as instalações da Alfassom e da Nutricafés.
- 2.ª Fase: ligação da Rua Paiva Couceiro para norte até à rua Elias Garcia, o que implica a deslocação, já acordada com a Imorretalho, das instalações do Pingo Doce. Entre a Rua Elias Garcia e a Estação do Metropolitano de Amadora Este, a atual Rua Manuel Ribeiro de Pavia será alargada para garantir o mesmo perfil transversal.
- 3.ª Fase: ligação deste troço até ao nó da CRIL na Damaia de Baixo, atravessando os terrenos até agora ocupados pelo Bairro 6 de Maio. Esta fase encontra-se em projeto e não está incluída na obra orçamentada. Assim, a construção do novo edifício do Pingo Doce, já programada entre a Câmara Municipal e a Imorretalho, ocupará a área do atual parque de estacionamento.

O troço da L5 entre a Rua Elias Garcia e a rotunda da Estação do Metropolitano será alargado e reperfilado com a ocupação de uma área de terreno pertencente à “Quinta do Estado”.

Custo total | 1.618.968,85 EUR
Custo total elegível | 1.090.457,00 EUR
Apoio financeiro da União Europeia | FEDER - 545.228,50 EUR
Apoio financeiro público nacional/regional | 1.073.740,35 EUR

Ligação pedonal e ciclável entre a Rua das Indústrias e a Rua das Fontainhas
Esta ação tem por fim prolongar a rede ciclável estruturante, parte integrada na via distribuidora estruturante - L5 até à Interface da Reboleira.
Para tal, a Câmara Municipal solicitou à REFER a cedência do terreno necessário a esta obra, que poderá vir a ser executada conjuntamente com o prolongamento projetado para a requalificação urbana da Rua das Fontainhas.

Qualificação de Percursos Pedonais entre o Interface da Reboleira e os Polos Empregadores e de Educação/Formação do Polo Industrial da Venda Nova
A área industrial da Venda Nova apresenta atualmente, após um longo período de transformação do tecido empresarial e do perfil das atividades, uma ocupação diversificada que, embora com a predominância de instalações industriais e de armazenagem, inclui estabelecimentos de ensino e formação profissional, equipamentos de saúde, superfícies comerciais, espaços de culto e habitação.

Por esta razão, e também devido ao abandono e degradação de muitos dos antigos edifícios, a rede viária e o espaço público não estão adaptados nem oferecem condições de segurança e conforto adequadas às necessidades da circulação pedonal gerada pelos atuais usos, em particular na sua ligação às principais interfaces de transportes – Estações da Reboleira, Damaia e Falagueira.
Na estratégia para a regeneração da zona industrial assume particular relevância a adequação da malha viária existente às necessárias condições funcionais de serviço às empresas instaladas, à circulação dos modos suaves, sobretudo à instalação de uma rede pedonal que, servindo toda a área, garanta a continuidade dos percursos e minimize os conflitos entre peões e a circulação e estacionamento de viaturas pesadas e de automóveis, que devem ser reordenados e regulados.

A construção de um parque de estacionamento para viaturas pesadas prevista para a Rua das Fontainhas constituirá uma importante alternativa para impedir a ocupação dos arruamentos com viaturas em espera, libertando, deste modo, espaços necessários ao alargamento de passeios e à segurança e conforto dos peões.
Assim, o projeto tem por fim, simultaneamente, melhorar a circulação pedonal na Zona Industrial da Venda Nova e a criar adequadas condições de acesso e serviço às empresas instaladas, procedendo ao ordenamento da circulação rodoviária, do estacionamento e das áreas de carga e descarga, que abrange as seguintes ruas: João de Deus, Paiva Couceiro, Latino Coelho, António José de Almeida, Azevedo Coutinho, Aniceto do Rosário, Mascarenhas de Melo.A intervenção municipal nestes arruamentos procurará obter uma significativa requalificação do espaço público, que contribua para a dignificação da área como polo de atividades económicas e de trabalho.

Projeto: 60.300 EUR + IVA
Projetista: Betar
Entidades envolvidas: Câmara Municipal da Amadora, CCDR - Candidatura POR Lisboa, Empresas e instituições localizadas na Zona Industrial da Venda Nova

Requalificação Urbana da Rua das Fontainhas
No terreno municipal anteriormente ocupado pelo Bairro Estrela de África, a Câmara Municipal decidiu promover a requalificação urbana e ambiental da área, melhorando as condições de acessibilidade da Rua das Fontaínhas e criando um espaço verde de enquadramento.
Nesta área será construído o prolongamento da Rua das Fontaínhas e instalado um parque de estacionamento, para apoio à Zona Industrial da Venda Nova, com o objetivo de criar uma alternativa para estacionamento de viaturas pesadas durante os períodos de espera.
As condições de utilização e de gestão do parque serão definidas em colaboração entre a Câmara Municipal e as empresas da zona que manifestem interesse na sua utilização.

Ao longo do novo troço da Rua das Fontaínhas, adjacente à linha de caminho-de-ferro, será construída uma via para bicicletas, com ligação à via distribuidora estruturante L5, a qual integrará a rede ciclável da Amadora. Esta via será prolongada pela Rua das Indústrias até à interface da Reboleira.
A Ligação da via ciclável, entre a Rua das Fontaínhas e a Rua das Indústrias, dando acesso à interface da Reboleira, será construída no espaço canal ferroviário de serviço à EMEF, que se encontra desativado.

Este projeto integra o Plano de Ação de Regeneração Urbana da Venda Nova (PARU-VN), que foi candidatado pelo Município a apoio do programa Lisboa 2020:
- Custo total | 1.118.910,35 EUR
- Custo total elegível | 293.003,00 EUR
- Apoio financeiro da União Europeia | FEDER - 146.501,05 EUR
- Apoio financeiro público nacional/regional | 972.409,30 EUR

Projeto: 22.000 EUR + IVA
Estudo geológico e geotécnico: 9.270 EUR + IVA
Projetista: Mendes dos Reis
Entidades envolvidas: Câmara Municipal da Amadora, REFER, PSP, Junta de Freguesia das Águas Livres, empresas da zona industrial da Venda Nova

Implementação da Rede Ciclável Estruturante
Nos projetos das novas vias previstas para a Falagueira – Venda Nova - via distribuidora estruturante L5, prolongamento da Rua das Fontainhas e a via distribuidora estruturante de ligação da Falagueira ao Casal de São Brás - L4 está a ser definida uma rede estruturante de ciclovias, que tem por fim permitir a ligação, por bicicleta, das várias áreas residenciais e de concentração de emprego às interfaces de transportes da Reboleira e Falagueira e às estações da Damaia e Alfornelos, bem como aos principais equipamentos coletivos.

Simultaneamente encontra-se em estudo, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, a interligação das respetivas redes de ciclovias na Pontinha e nas Portas de Benfica.
O principal objetivo desta rede estruturante é permitir, em adequadas condições de segurança e conforto, a utilização da bicicleta nas deslocações diárias casa-trabalho ou casa-escola, isto é, integrando a bicicleta na cadeia de transporte nas deslocações quotidianas, o que deverá ser reforçado com um serviço público proporcionado por um sistema partilhado de bicicletas (“bike-sharing”) que, na perspetiva de um serviço alargado, se prevê que seja compatibilizado com o concelho de Lisboa.

Na zona nascente do concelho da Amadora, onde se integra a Venda Nova/Falagueira, as características topográficas dos terrenos favorecem a utilização generalizada das bicicletas, o que deverá ser considerado nos planos e projetos de novas urbanizações, como é o caso da Falagueira, assim como no reordenamento da circulação nas áreas urbanas consolidadas e na gestão dos transportes públicos.

Entidades envolvidas: Câmara Municipal da Amadora, Câmara Municipal de Lisboa

Demolição do edifício das antigas instalações A. M. Pereira da Costa e intervenção nos terrenos das antigas instalações da Edifer e Edimetal
Existem na Zona Industrial da Venda Nova diversos edifícios desocupados, alguns em avançado estado de degradação, constituindo, por essa razão, fatores de desqualificação urbana e ambiental da zona. Em alguns casos os edifícios abandonados transformam-se em focos de degradação social, que têm consequências na vida local e na atividade das empresas em funcionamento na zona.

A identificação dessas situações, consideradas críticas, permitiu à Câmara Municipal intimar os respetivos proprietários a procederem à demolição das construções desencadeando, com esse fim, os necessários procedimentos administrativos.
Nesta linha de ação concretizou-se já a demolição, pelo proprietário, das antigas instalações da A. M. Pereira da Costa, na Damaia de Baixo.
Também as antigas instalações das empresas Edifer e Edimetal, atualmente propriedade de um fundo imobiliário constituído pelo Grupo ELEVO, estão a ser demolidas.